Não é de hoje que a tecnologia vem sendo utilizada na área financeira, comércio, transporte e atendimento ao usuário. Como era de se esperar, agora já podemos falar em inteligência artificial na medicina também.

Esse ramo da ciência é capaz de realizar uma extensa análise de informações disponíveis em bancos de dados em saúde, como taxas de natalidade e mortalidade, hospitalizações e doenças de notificação compulsória, além de dados de prontuários eletrônicos. Por meio dessa leitura, é possível indicar a prevalência e evolução de doenças, antecipando a ocorrência de um surto, o que é útil na elaboração de medidas preventivas.

No texto de hoje, você vai entender como esse recurso vem sendo utilizado na medicina, suas potencialidades e aplicações. Acompanhe!

O que é Inteligência Artificial (IA)?

O grande objetivo da inteligência artificial é simular a capacidade humana de identificar um problema e seus componentes para, então, propor soluções e ajudar na tomada de decisões importantes. Isto é, são sistemas refinados de computação capazes de receber instruções do homem e executar tarefas.

Estudos realizados nos Estados Unidos comprovaram que 32% dos erros médicos são devidos a falhas na relação médico-paciente, exame clínico deficiente ou interpretação equivocada de dados e resultados de exames. Daí a utilidade da inteligência artificial na medicina: ela é capaz de realizar algumas tarefas com maior agilidade e precisão, poupando tempo que deve ser investido em algo que não é automatizável: a relação entre o médico e o paciente.

Quais são os conceitos mais importantes?

A seguir, entenda melhor como funciona a inteligência artificial aprendendo os principais conceitos que envolvem essa tecnologia.

Machine Learning

Trata-se do aprendizado da máquina, ou seja, o uso de algoritmos em computadores habilitando-os para a coleta, processamento e cruzamento de dados.

Deep Learning

Aqui, são utilizados algoritmos complexos a fim de imitar a rede neural do cérebro humano e aprender, na prática, uma habilidade ou conhecimento específico. Isso pode ser observado, por exemplo, em tecnologias que realizam reconhecimento de voz ou em máquinas que operam sem um humano no comando.

Processamento de Linguagem Natural (PLN)

É a capacidade da máquina de reconhecer imagens e padrões de comunicação — linguagem aberta, escrita e falada —, além de compreender conceitos e estabelecer nexo entre as informações.

Quais são as aplicações?

1. Associação de sintomas

Existem, hoje, ferramentas que associam sintomas e são capazes de chegar a um diagnóstico preciso, como o TensorFlow da Google.

O software é capaz de analisar fotografias dos pacientes e comparar com um banco de dados, encontrando o problema por meio da semelhança entre as imagens. A IA também é capaz de estabelecer associação entre os sintomas e o histórico de doenças do paciente.

Hospitais brasileiros modernos já contam com aparelhos de imagem que indicam possíveis enfermidades, notificam automaticamente os médicos e, inclusive, realizam monitoramento dos sinais vitais do paciente, os registrando automaticamente nos prontuários eletrônicos. 

2. Proposta de tratamento

Indo além do diagnóstico, ferramentas como o Watson, da IBM, utilizam algoritmo que se baseia na literatura científica para analisar dados clínicos e genéticos dos pacientes e sugerir possibilidades terapêuticas.

Vale ressaltar que a experiência do médico ainda é requerida nesse caso: o programa não indica qual é o melhor tratamento, mas apenas mostra as opções, evidências relacionadas, grau de risco e efeitos adversos.

3. Recuperação de dados

O grande desafio da Era Moderna é gerenciar de forma inteligente a grande quantidade de informações produzidas. No caso da medicina não é diferente: cada vez há mais recursos, opções de exames complementares e tratamentos disponíveis, e é necessário que essas informações estejam seguras e integradas.

Nesse sentido, a IA auxilia no armazenamento e recuperação de dados por meio da nuvem. Ou seja, resultados, laudos e prontuários podem ser digitalizados, o que poupa o espaço, além de tornar o acesso mais organizado e seguro.

Com dados armazenados na nuvem, é possível acessar remotamente os dados clínicos e exames de imagem, por exemplo, o que facilita o atendimento independente do porte da instituição médica em que o médico se encontra.

Agora que você já conhece algumas aplicações da inteligência artificial na medicina, não deixe de assinar a nossa newsletter para conhecer mais sobre nosso software médico para clínicas e consultórios!

Share: