A gestão de projetos na saúde é uma prática que está se fortalecendo cada vez mais nos últimos tempos. Isso ocorre, principalmente, pelo fato de os gestores dos hospitais, das clínicas ou dos consultórios médicos perceberem a necessidade de desenvolverem um papel mais estratégico e menos operacional, atuando como gestores de projetos.

Desenvolver a gestão de projetos é algo comum no meio empresarial e você também deveria adotar essa metodologia em sua clínica. Para isso, os projetos precisam ser classificados em cinco etapas, que serão descritas a seguir. Acompanhe!

Iniciação

Nessa fase, é importante que o gestor da clínica tome ciência de tudo que acontece no local. É preciso fazer um grande mapeamento de todas as áreas da clínica, como atendimento por parte das recepcionistas e secretárias, agilidade e cordialidade nas consultas médicas, eficácia do trabalho dos enfermeiros e técnicos de enfermagem etc.

O entendimento de todos os campos da clínica deve ser macro e, para isso, os gestores podem contar com o auxílio de intermediários, como os gerentes ou os supervisores de cada setor.

Planejamento

Com base nos dados recolhidos na fase de iniciação, a etapa do planejamento deve ter uma dedicação especial de todos os gestores da clínica. É preciso que seja feito um mapa estratégico, com todas as tarefas que precisam ser realizadas na clínica em médio prazo.

Para realizar o planejamento de ações, é possível utilizar técnicas conhecidas da administração, como a análise SWOT. Em seguida, o mapeamento pode ser desenhado, dando origem à Estrutura Analítica do Projeto (EAP). Nesse documento, cada ação a ser desenvolvida na clínica deve ser esmiuçada, trazendo o responsável pela realização, os recursos físicos e humanos envolvidos, as metas a serem cumpridas etc.

Execução

Como o próprio nome sugere, a etapa da execução na gestão de projetos para clínica é quando tudo aquilo que foi planejado começa a ser executado, de modo que as ações devem ser desenvolvidas da melhor maneira possível.

O gestor da clínica deve atuar como supervisor, verificando se todos os projetos estão sendo realizados, tomando as medidas cabíveis para contornar possíveis situações que podem surgir no decorrer dos processos.

Monitoramento e controle

Embasado em métricas quantificáveis, como a opinião dos funcionários e pacientes da clínica, o gestor do estabelecimento deve fazer o monitoramento de tudo aquilo que está sendo realizado.

Caso algo não esteja sendo desenvolvido conforme o esperado, é papel do gestor de projetos tomar atitudes que deixem tudo novamente nos eixos.

Entre outros fatores, a gestão de projetos faz com que o estabelecimento de saúde seja mais organizado e competitivo, tenha mais lucratividade e, ao mesmo tempo, preste um melhor atendimento aos pacientes.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre gestão de projetos na saúde, colocará o aprendizado em prática na sua clínica ou consultório?

Então nós temos uma leitura que pode ajudá-lo! Leia o nosso artigo “11 dicas para administrar sua clínica ou consultório” e fique bem informado sobre como fazer uma gestão que agrade a colaboradores e pacientes, mantendo, ao mesmo tempo, a competitividade! Vamos lá!


Gestão de projetos na saúde: entenda como ela é importante

Share: